segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Ter razão ou ser feliz?











Não existem casamentos perfeitos, porque não existem pessoas perfeitas. Sendo assim, é preciso aprender a viver com a sua imperfeição , porque ficará mais fácil conviver com a  do seu cônjuge.


 Administrar bem as falhas, faltas, diferenças, aborrecimentos é primordial para que haja parcimônia no casamento.
  
As próprias faltas e falhas são muitas vezes justificadas para si mesmo, ou senão ao menos atenuadas, acomodadas dentro do seu coração numa espécie de autoacolhimento. Mas as falhas e faltas dos outros costumam incomodar sobremaneira. 

Isso ocorre porque a falha do outro acaba por transparecer a sua, e isso gera desconforto. E logo a posição a ser tomada é a de julgamento e acusação. Todos procuram  um culpado o tempo todo, como se já não soubesse que o outro assim como você não é dotado de perfeição.

O outro por sua vez ora procura defender-se, ora atacar, o que causa  discussões desnecessárias e desgastes no relacionamento.

Aquela célebre frase, você quer ser feliz ou ter razão?

Qual é a vantagem no casamento quando um ganha a discussão o outro perde?

Se você quer ser feliz, precisa mudar seus paradigmas, partindo do pressuposto que para ser feliz as vezes é preciso perder a razão, é preciso dar lugar para o coração, e deixar entrar em cena o amor.

E como falar de amor, sem falar de perdão, impossível porque são companheiros fiéis e inseparáveis.
Só o perdão, que nada mais é que a remissão, libertação do outro imerecidamente. 

É mais ou menos assim: Eu não gostei do que você fez, mas eu te perdôo porque te amo e quero você em minha vida. e mais,  gostaria que em nome do nosso amor isso não tornasse a acontecer.

Você não terá um casamento perfeito, mas aperfeiçoado pelo amor e  pelo perdão.
Texto da Psicóloga  e Terapeuta Lilian Ramos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor registre seu e mail para comentar, ok?